fbpx
dia nacional da consciência negra

O que você sabe sobre o Dia Nacional da Consciência Negra?

Geral

Para este artigo especial, trazemos curiosidades sobre a origem do Dia Nacional da Consciência Negra, como o movimento ganhou repercussão até se tornar um feriado e as reflexões que esta data carrega para os dias atuais. 

No dia 20 de novembro de 1971, um grupo de 12 estudantes negros se reuniu em um clube na cidade de Porto Alegre (RS) – o único que aceitava negros na capital – para discutir sobre a história de Zumbi, o famoso líder do quilombo Palmares.

Zumbi foi um dos protagonistas na resistência contra a escravidão no Brasil e o principal líder dos Palmares no período colonial. Depois de resistir por cerca de 20 anos, ele foi assassinado em 20 de novembro de 1695 e teve sua cabeça exposta em praça pública.

Em entrevista para a Folha de S. Paulo, um dos estudantes que participou de tal reunião, Antônio Côrtes, explicou a ideia inicial que impulsionou a criação da celebração:

“Fizemos uma analogia com a construção mítica de Tiradentes (…). Se a morte dele era lembrada, também tínhamos que lembrar a de Zumbi”

Após a reunião, Antônio e outros três amigos fundaram o Grupo Palmares, uma associação cultural para promover a conscientização da participação do negro na História do Brasil.

E, após dois anos, a homenagem feita aos negros brasileiros ganhou repercussão nacional e figuras negras históricas passaram a ser lembradas todo mês de novembro e em todas as regiões do país, como Dia Nacional da Consciência Negra

Dia Nacional da Consciência Negra como feriado

Em 2003, tivemos a Lei nº 10.639/03 – que foi alterada pela Lei 11.645/08 -, que torna obrigatório o ensino sobre a história e cultura afro-brasileira e africana em todas as escolas públicas e particulares, do ensino fundamental até o ensino médio, no Brasil.

A data foi oficializada como Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra, em 2011, pela Lei 12.519/2011, sancionada pela então presidente Dilma Rousseff. Porém, a celebração como feriado ocorre em municípios com leis estaduais específicas, como em São Paulo, Rio de Janeiro e Alagoas.

Importância da celebração 

A ideia de criar uma data para celebrar a Consciência Negra remete à conquista de liberdade pelos escravos que sofreram durante muito tempo e também ao fato de que seus descendentes carregam marcas até hoje perante a sociedade.

O dia Nacional da Consciência Negra existe para lembrar os brasileiros de que é preciso valorizar um povo que contribuiu para o desenvolvimento da cultura brasileira. E, durante este mês, muitas atividades são propostas por ativistas, pelas escolas e órgãos públicos.

Conheça algumas personalidades negras brasileiras

1. Dandara, esposa de Zumbi dos Palmares

Dandara era esposa de Zumbi e mãe de três filhos. Ela lutou bravamente pela libertação  das negras e negros no Brasil, além de enfrentar muito machismo. Ela foi presa em 1694 e suicidou para não retornar à condição de escrava.

2. Aleijadinho 

Antônio Francisco de Lisboa, conhecido por Aleijadinho, era filho de um arquiteto português e de sua escrava. Por ter sido alforriado pelo pai, pôde ser educado decentemente e em um ambiente artístico.

Por ser mulato, ele nem sempre foi tão valorizado, mas foi responsável por grandes obras, principalmente religiosas, em Minas Gerais. Suas obras estão espalhadas por Ouro Preto, Mariana, Sabará e Congonhas, cidades histórias mineiras.

Aleijadinho desenvolveu uma doença degenerativa que o fez perder os movimentos dos dedos das mãos e dos pés. E mesmo doente, não parou de trabalho e conseguiu imprimir seu estilo barroco em obras inconfundíveis.

3. Padre José Maurício 

José Maurício Garcia, nasceu no Rio de Janeiro, filho de escravos libertos. Ele decidiu pela carreira eclesiástica, muito comum na época, e também se dedicou à música e se tornou também exímio organista.

Com a vinda da Família Real ao Brasil, em 1808, o príncipe-regente Dom João,  nomeou Padre José Maurício mestre de Capela e o fez cavaleiro da Ordem de Cristo, uma das mais tradicionais honrarias portuguesas.

Em 2008 comemorou-se o bicentenário da Família Real e algumas obras dele foram encontradas. Posteriormente, orquestrar brasileiras e internacionais passaram a reproduzi-las.

4. Maria Firmina dos Reis 

Maria Firmina dos Reis, nasceu no Maranhão, filha de mãe branca e pai negro. É considera a primeira romancista mulher a conquistar prestígio na literatura brasileira.

Ela foi a primeira mulher a passar para o concurso público como professora. Fundou uma escola mista e escreveu romances do gênero abolicionista, como Úrsula, A Escrava e Cantos à Beira-mar.

5. Luís Gama 

Baiano, filho de uma escrava liberta e um português pobre, Luís Gama nasceu livre, mas para pagar as dívidas de seu pai, foi vendido como escravo. Aos 10 anos, foi para São Paulo pra trabalhar como escravo.

Aprendeu a ler aos 17 anos, e nesta época, conseguiu provar perante a justiça brasileira que era mantido como escravo doméstico e, portanto, deveria ser libertado devido à abolição.

Então, Luís Gama passou a advogar sem diploma e através desta iniciativa, conseguiu libertar mais de 500 escravos alegando que todo negro chegado ao Brasil após 1831 deveria ser livre.

Em homenagem, a OAB (Ordem de Advogados do Brasil), lhe concedeu postumamente o título oficial de advogado, em 2015.

*Feito por Ingrid Stockler – Colaboradora da Ius Natura

Ius Natura © 2019. Todos os direitos reservados.