ISO 50001

Tudo sobre a ISO 50001 | Sistema de Gestão de Energia

Geral

O consumo energético se tornou inerente a qualquer setor da economia e o aumento acelerado do insumo fez com que as organizações se preocupassem com o consumo sustentável e a eficiência energética. Com essa necessidade, surgiu a norma ISO 50001 e a implantação do Sistema de Gestão de Energia, os quais serão explicados neste artigo.

Relevância do consumo energético 

A energia elétrica ainda é uma das maiores criações da humanidade, justamente por apresentar inúmeras utilidades e poder ser altamente eficiente, principalmente para o consumo humano. E todas as suas formas de utilização são viabilizadas por recursos naturais.

E por usufruir recursos do meio ambiente, os atores econômicos devem investir no uso sustentável da energia, desde a busca por matérias-primas, até o consumo final da energia gerada, visando a melhoria do desempenho energético na racionalização dos recursos naturais explorados, na redução do consumo e sua otimização.

Mas com os altos preços vinculados à sua produção em um mercado instável, implantar uma gestão de energia tem sido uma boa solução para o empreendedorismo.

Gestão energética

Os avanços tecnológicos e a constante mudança nas diferentes maneiras de se aproveitar a energia instigam as organizações a possuírem um política voltada ao consumo energético por meio da implantação de um sistema de gestão específico para gerar mais valor e consistência energética ao negócio.

A instituição do Sistema de Gestão de Energia (SGE) nas políticas internas estabelece diretrizes sobre:

  • Eficiência energética;
  • Consumo consciente;
  • Produção renovável;
  • Redução de gases poluentes;
  • e também abrange questões de Saúde e Segurança do Trabalho.

O que é a ISO 50001?

Um sistema de gestão profissionalmente instituído é embasado em uma norma técnica, que é diferente de uma normal legal. Portanto, ela é voluntariamente adotada pela organização.

E no Brasil temos a organização que mais edita padrões, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). E a ISO é a organização internacional que mais edita padrões internacionais que quando elaborada alguma norma técnica, esta pode ser distribuída no Brasil pela ABNT.

A ISO 50001 é uma norma da  ABNT que foi criada em 2011 para incentivar as empresas a produzir e consumir energia de forma sustentável e eficaz, embasando na implantação e manutenção do SGE.

Essa norma estabelece requisitos que precisam ser atendimentos pelas empresas para que se garanta uma melhor performance energética, aumento do consumo sustentável para viabilizar as atividades do negócio.

O modelo na norma ISO 50001 é fundamentado em outros sistemas de gestão que são utilizados mundialmente, como o modelo ambiental da ISO 14001, de qualidade da ISO 9001 e de SST da OHSAS 18001.

Como implementar a ISO 50001?

A implantação da norma pode ser feita em todos os tipos e tamanhos de empresas, independentemente das condições sazonais, culturais, sociais ou econômicas. E seu sucesso vai depender apenas do comprometimento de todos os setores das organizações, principalmente da alta direção.

A ISO 50001 identifica os requisitos que precisam estar na Gestão de Energia para que a empresa possa atender a política energética, estabelecendo objetivos, metas, planos de ação, ações corretivas, para atender a todos os requisitos aplicáveis ao seu negócio.

Dessa forma, o primeiro objetivo da norma é orientar a implantação correta do Sistema de Gestão, quais são as etapas que precisam ser seguidas para a operação plena da gestão. E para facilitar esse processo, é muito comum as empresas adotarem a estrutura do PDCA, o famoso Ciclo “Plan, Do, Check, Act”, traduzido como “Planejar, Fazer, Checar, Agir”.

Estes quatro passos que integram o PDCA vão servir como base para a estruturação do SGE em qualquer tipo de empresa:

Ilustação PDCA | ISO 50001
Ilustação PDCA | ISO 50001 | Fonte: International Copper Association Brazil

Como a ISO 50001 opera nas organizações?

A ISO 50001 nasceu em 2011, então ela já veio de certa forma “moderna”, pois já existiam outros modelos de gestão. A ISO 14001 e ISO 9001 são exemplos da década de 90 e que passaram por modificações e atualizações. Assim, a norma de SGE já foi criada levando tais mudanças em consideração.

Sempre se concentrou em executar bem as atividades, depois para pensar o que tinha que ser corrigido. A ISO percebeu que esse método gerava retrabalho. A partir de então, ela focou mais no P (Plan) do Ciclo PDCA.

Quanto mais você consegue planejar, detalhar o que você busca e como vai fazer isso, menores são as chances de ocorrer falhas. E isso faz com que oportunidades de melhorias cresçam.

Essa norma é complexa, tecnicamente, porque ela não aborda estimativas e sim medições exatas, quantificadas.

A norma de SGE desenvolve uma política para induzir o uso mais consciente e eficiente da energia, como falado anteriormente. E para isso, ela fica metas para atender os objetivos.

Utiliza dados internos e externos para levar a uma melhor compreensão sobre o uso de energia, mede resultados e melhora a operação do sistema de gestão.

Aplicando o Ciclo PDCA na empresa

  • Planejar: executar a revisão energética e estabelecer a linha de base, indicadores de desempenho energético (IDEs), objetivos, metas e planos de ação necessários para obter resultados que vão otimizar o desempenho energético em conformidade com a política energética da organização;
  • Fazer: implementar os planos de ação da gestão de energia;
  • Verificar: monitorar e medir processos e características principais de operações que determinam o desempenho energético em relação à política e objetivos específicos, e divulgar resultados documentados;
  • Agir: tomar ações para melhorar continuamente o desempenho energético e o SGE.

Vantagens de certificar na ISO 50001

Ter uma SGE implantado e operando corretamente já é um ponto muito positivo para a empresa, tanto economicamente, quanto em relação à imagem dela no mercado. Isso porque a gestão adequada reduz os gatos, torna a utilização da energia mais eficiente e segura, reduz a emissão de poluentes e potencializa a imagem da empresa.

Além disso, as empresas também podem se certificar na norma ISO 50001, por meio do método de gestão e do PDCA. E para se ter um certificado, a empresa precisa passar por uma auditoria geral externa.

A auditoria confere se a organização está seguindo as diretrizes passadas pela norma ISO 5001 que estão relacionadas com as seguintes etapas:

  • Implantação do Sistema de Gestão de Energia e seu pleno funcionamento;
  • Documentação e arquivação de todas as informações referentes ao SGE;
  • Redução da emissão de gases poluentes.
  • Revisão e melhoria do sistema de gestão.

E apesar da ISO 50001 ser aplicável e recomendada a qualquer tipo de empresa, ela é mais almejada por aquelas que possuem alto índice de energia ou emissão de gases poluentes.

E quais são os principais objetivos da certificação na ISO 50001?

  • Estabelecer uso e produção mais adequada de energia;
  • Estabelecer uma comunicação corporativa mais transparente sobre os recursos energéticos da empresa;
  • Integrar outros sistemas de gestão da organização, como o ambiental, de SST etc;
  • Priorizar o investimento de novas tecnologias para otimizar o uso da energia.

Obs.: Assim como outras normas de Sistema de Gestão, como a ISO 14001, ISO 45001, a certificação na ISO 50001 não é obrigatória, mas extremamente indicada.

Benefícios do SGE

Para a indústria:

  • Redução de gastos;
  • Aumento da competitividade;
  • Aumento da produtividade;
  • Aumento do lucro.

Para os países:

  • Redução da importação de energia;
  • Aplicação da economia em projetos de melhoria;
  • Conservação e valorização de recursos naturais;
  • Aumento da segurança energética;
  • Diminuição da emissão de gases na atmosfera;
  • Criação de um ambiente sustentável.

Gestão de Requisitos Legais na ISO 50001

Normas legais ou técnicas dispõem sobre requisitos que precisam ser atendidos pelas empresas, para estar de acordo com as diretrizes da própria norma e também pela legislação.

Cumprir os requisitos legais significa que você está em conformidade e isso ajuda a sua empresa a não receber multas e demais penalidades.

Ressaltamos que é importante atender às obrigações previstas em lei, mesmo se sua empresa não desejar se certificar em alguma norma.

E para atender a ISO 50001, são especificados requisitos aplicáveis a uso e consumo de energia, o que inclui:

  • Medição;
  • Documentação e comunicação;
  • Aquisição de equipamentos;
  • Sistemas e processos.

Portanto, a norma se aplica a todas as variáveis que afetam o desempenho energético e que podem ser monitoradas e influenciadas pelas organizações.

A legislação pode cobrir dispositivos, edifícios, equipamentos industriais, meios de transporte, matriz de energia renovável etc.Compreendendo esse leque de variedades, podemos citar alguns requisitos relacionados ao uso e consumo de energia:

  • Comercialização de uso e emissões;
  • Eficiência energética dos processos que impactam o uso, consumo e eficiência energética dos processos;
  • Avaliação de conformidade (certificação, etiquetagem, declarações de fornecedor, como o Inmetro) de produtos e serviços críticos para o desempenho energético;
  • Diretrizes não regulamentares adotadas pela empresa ou segmento;
  • Acordos voluntários e códigos de prática.

Para avaliar e monitorar as obrigações aplicáveis, existem no mercado softwares e ferramentas que realizam a gestão de requisitos legais. São oferecidos recursos necessários para que a legislação seja identificada, inclusive as diversas atualizações que acontecem constantemente, e avaliadas de forma personalizada, de acordo com a atuação e necessidade de cada empresa.

*Por Ingrid Stockler – Colaboradora da Ius Natura 

Ius Natura © 2019. Todos os direitos reservados.